sexta-feira, 12 de agosto de 2016

A MELHOR TRADUÇÃO PARA O TEXTO DE APOCALIPSE 22.14


QUAL A MELHOR TRADUÇÃO PARA O TEXTO DE APOCALIPSE 22.14?

Introdução

Não existe nenhum autógrafo do livro de Apocalipse, bem como dos demais livros da Bíblia. O que temos são cópias de cópias e estas, como nos informa a História do Texto Bíblico, por vários fatores, sofreram o risco dos erros dos copistas. Por exemplo, alguns copistas tinham o hábito de colocar notas marginais ou ao pé da página acrescentando algo ao que estava copiando ou explicando-o. Um escriba posterior achando ideias válidas nestas notas e consentâneas com a doutrina bíblica, ele as introduzia no texto. Creem os estudiosos que foi isto o que aconteceu com a doxologia do Pai Nosso, com as três testemunhas celestiais de I João 5.7-8, e com o anjo que agitava as águas em São João 5.4.
A inclusão de algumas palavras ou até frases, em um ou outro manuscrito do texto sagrado, não alterou nenhuma de suas doutrinas, nem deu origem a nenhuma doutrina nova e ainda mais, os textos envolvidos com problemas de Crítica Textual nada têm a ver cem a doutrina da salvação ou da justificação pela fé.
A finalidade deste capítulo é esclarecer os problemas de Ap 22.14, porque há nele implicações tanto doutrinaria como de Crítica Textual. O Texto no Original e sua tradução: a) No Grego: Makarioi hoi plinontes tas stolas auton Makarioi hoi piountes tas entolas autou. b). Sua tradução. Em algumas traduções como a de Figueiredo, Ferreira de Almeida, Bíblia de Jerusalém, New English Bible, Novo Testamento na Linguagem de Hoje, Novo Testamento Vivo e estrangeiras como: Alford, Goodspeed, Spender, Moulton, Fenton, Weymouth, Moffatt, Wyclif, Knox encontramos:
"Bem-aventurados aqueles que lavam as suas vestiduras. . ."; enquanto que as traduções: The Holy Bible, King James Version, La Sacra Biblia, Giovani Diodati (Italiana), a tradução siríaca e outras consignam:  "Bem-aventurados aqueles que guardam os seus mandamentos...". Comentários sobre o texto: Não nos foi possível precisar a data em que o problema surgiu, entretanto, quase todos os estudiosos do assunto têm chegado a um denominador comum quanto à divergência no texto; esta apareceu em consequência do equívoco dos copistas. A grande semelhança entre os dois textos no original (pois há apenas seis letras diferentes) fez com que os escribas substituíssem um pelo outro. A diferença entre as palavras "vestes" e "mandamentos" no grego é uma questão de letras iniciais. Vestes no acusativo plural é stolas e mandamentos entolas sendo a diferença de um "s" e de "en" nas respectivas palavras. Por isso muitos admitem que esta pequena diferença foi a causa da troca de algum copista.
Qual era o texto original? A Crítica Textual não tem condições de dar uma resposta definitiva a esta pergunta. Os adventistas citávamos, em tempos passados, Apocalipse 22.14 como uma prova eloquente da observância dos mandamentos como fator de nossa salvação, mas em virtude de ser uma passagem contraditória, hoje não o fazemos com tanta veemência. A seguir se encontram soluções propostas pela crítica Textual e por renomados exegetas e comentaristas.
O Comentário Adventista, vol. VII, pág. 897, sobre este verso declara:  "Importante evidência textual pode ser citada para a variante 'que lavam as suas vestiduras'. Poucos manuscritos consignam 'que lavaram suas vestiduras'. Dos unciais primitivos, somente o Sinaítico e o Alexandrino contêm esta seção do Apocalipse, e ambos inserem 'que lavam as suas vestiduras'. A maior parte dos manuscritos minúsculos apresenta que guardam os seus mandamentos'. As traduções antigas acham-se divididas entre as duas formas, bem como as citações patrísticas. As duas frases são muito semelhantes em grego, e é fácil concluir-se como um escriba pôde ter confundido uma frase pela outra, embora seja impossível saber-se qual seria a versão original. "A seguinte transliteração mostrará a semelhança: 'que guardam os seus mandamentos'. 'que lavam suas vestes'. "Como um fato autêntico ambas as versões se adaptam ao contexto e estão em harmonia cem os ensinamentos de João noutros lugares. Sobre o assunto de guardar os mandamentos, Ver Ap. 17.17; 14.12; confira Jo 14.15, 21; 15.10; 1 Jo 2.3-6. Sobre o assunto de lavar as vestiduras veja Ap. 7.14, onde é descrita uma multidão de santos como tendo lavado suas vestes e tornado brancas no sangue do cordeiro. O nosso título ao céu é a justiça de Cristo imputada: nossa adaptação para o céu, é a justiça de Cristo comunicada, representada pelas vestiduras lavadas. A evidência exterior da justiça de Cristo comunicada é perfeita obediência aos mandamentos de Deus. Por isso as duas ideias de vestiduras lavadas e obediência aos mandamentos de Deus estão intimamente relacionadas. "À luz dos problemas de tradução aqui discutidos, pareceria mais sábio construir os fundamentos da doutrina da obediência aos mandamentos de Deus, sobre outras passagens das Escrituras que tratam da obediência, sobre as quais nenhum problema de evidência textual tenha surgido. Há muitas delas. "Para um estudo mais completo deste problema veja Problems in Bible Translation, págs. 257 –262." O Comentário Exegético y Explicativo de la Biblia de Roberto Jamieson, A. R. Fausset e David Brown da Casa Bautista de Publicaciones assim se expressa sobre Ap. 22.14: " 'Guardam os seus mandamentos', assim aparece na tradução Siríaca, na Cóptica e nos escritos de Cipriano, porém, os códices Alexandrino e Alef ou Sinaítico e a Vulgata trazem 'Bem-aventurados os que lavam suas vestes' isto é, no sangue do cordeiro – Ap 7.14. Este ensino tira o pretexto da salvação pelas obras. A nossa versão é mais compatível com a salvação pela graça, pois que o mandamento evangélico maior e primeiro, dado por Deus é crer em Jesus Cristo. Assim nosso poder (em grego – privilégio ou autoridade legal – exousia) sobre a árvore da vida, não se deve a nossas obras, mas aquilo que Jesus fez por nós. O direito ou privilégio, está baseado não em nossos méritos, mas na graça de Deus". II Vol. pág. 831. Conforme o New Testament of our Lord and Savior Jesus, With Commentary and Critical Notes, by Adam Clarke – Published by Lane & Scott (New York) 1950, temos a seguinte declaração: "Para que eles tenham direito à árvore da vida, precisam ser obedientes aos mandamentos de Deus. Todavia, sem a graça, não há obediência, sem a obediência não há acesso à árvore da vida. Através da graça de Cristo nós recebemos o bem".
Conclusão:
Creio serem oportunas e muito adequadas as palavras de C.W. Irwin, inseridas em O Ministério Adventista, maio e junho de 1954, pág. 20, como fecho destas considerações:
"Os escritores do Novo Testamento têm a tendência de dar mais ênfase ao princípio da justiça pela fé do que à justiça pelas obras da lei, do que resultou a tradução: 'Bem-aventurados aqueles que lavaram as suas vestiduras'. . . etc. Isto parece estar mais em conformidade com o espírito do Novo Testamento, e é, sem dúvida, a tradução dum original grego correto. "De maneira nenhuma pode essa versão ser usada como argumento contra a validade e perpetuidade da lei de Deus, concretizada nos Dez Mandamentos. É simplesmente uma confirmação de que o escritor inspirado, nesse passo, não se referia aos Dez Mandamentos, mas enunciava um princípio de concerto novo de justiça pela fé.
"Tanto no Velho como no Novo Testamento a expressão "vestir" refere-se ao caráter. Em Zacarias, os trapos imundos representam a pobreza espiritual, pelo que, a mudança das vestes ou vestes brancas, é um símbolo da pureza de caráter, atingida apenas por meio da fé na graça salvadora de Jesus Cristo. Deste ponto de vista, o passo é esclarecedor e belo."
Nota:
O livro citado, Publicação Adventista da Review and Herald, é bastante útil para obreiros e mesmo para os que não são técnicos da área, mas são  estudiosos.
 
Adaptado de Pedro Apolinário
Pr. Cirilo Gonçalves - Evangelista da IASD - AP,SP.
Twitter: @prcirilo
Instagram: @cirilogoncalves
Site: www.paulistana.org.br/evangelismo
Facebook: https://www.facebook.com/cirilo.g.dasilva
#CEOnline

sábado, 23 de julho de 2016

ABOMINAÇÃO DA DESOLAÇÃO - MATEUS 24.15

ABOMINAÇÃO DA DESOLAÇÃO.
 
Designação enigmática encontrada em Mat. 24:15, emprestada de Daniel (11:31; 12:11), onde a frase correspondente aparece como “abominação desoladora”. Daniel predisse uma grande profanação do templo por um poder estrangeiro, em uma tentativa de substituir o verdadeiro sistema de culto por um falso. O gr. bdelugma tes eremoseos, “abominação da desolação”, em Mat. 24:15 é idêntico à tradução da LXX, (MS, 88) do heb. shiqqûs shômem em Dan. 12:11. Em Dan. 11:31 shiqqûs meshômem é traduzido como bdelugma ton eremoseon. (Compare bdelugma ton eremoseon, “Abominações assoladoras”, em Daniel 9:27; e hamartia eremoseos, “transgressão assoladora”, no cap. 8:13, ambas as expressões, sem dúvida, devem ser identificadas com bdelugma tes eremoseos, dos caps. 11:31 e 12:11). O heb. shiqqûs é um termo comum no A.T. que designa uma “deidade idolátrica” (e.g., Deut. 29:17; II Reis 23:24; II Crôn. 15:8; Ez. 37:23). Dizia-se que tais “abominações” colocadas no templo aviltavam e poluíam o recinto sagrado nos tempos do A.T. (Jer. 7:30; Ez. 5:11). O heb. shamem, a forma pela qual é traduzida “desolação”, (mais literalmente, “alguma coisa que torna desolado”) significa devastação causada por um exército invasor (Jer. 12:11), uma cena que cria um senso de horror na pessoa que a observa (Jer. 18:16). O heb. pesha, transgressão”, na expressão paralela “transgressão assoladora”, em Dan. 8:13 é usado para atos de Apostasia e rebelião contra Deus (Veja Amós 2:4, 6; Miq. 1:5).

INTERPRETAÇÃO DE VÁRIOS COMENTADORES SOBRE A QUESTÃO

Cerca de 100 a.C., o escritor de I Macabeus (Veja I Mac. 1:54, 59; cf. 6:7) identificou a “abominação desoladora” (bdelugma eremoseos) como um Altar idolátrico erigido por Antíoco Epifânio, sobre o altar de ofertas queimadas no templo de Jerusalém em 168 a.C.. Cerca de 70 a.C., Josefo aplicou igualmente a profecia de Daniel a um “altar idolátrico”, construído sobre o “altar de Deus” (Josefo, Antigüidades, X. 11.7 [Loeb, 272-276]; XII 5 [Loeb, 253]. Em Mat. 24:15 (cf. Luc. 21:20-22), Cristo aplicou-a aos romanos, que, 40 anos mais tarde, em 70 A.D., invadiram Jerusalém e queimaram o templo, e no ano 130 A.D. ordenaram a construção de um templo a Júpiter Capitolino em seu lugar (Cambridge Ancient History, vol. XI, p. 313). Comentaristas judeus da Idade Média, tais como Ibn Ezra, de modo semelhante, aplicaram-na à obra dos romanos no primeiro século A.D. (L. E. Froom, Prophetic Faith of Our Fathers, vol. 2, pp. 210, 213). Irineus, Orígenes e outros escritores cristãos dos primeiros séculos aplicaram-na a um futuro Anticristo (ibid., vol. 1, pp. 247, 320, 366), como fizeram escritores católicos medievais posteriormente, tais como Villanova e Olivi (ibid., pp. 752-754, 773). Pseudo Joaquim aplicou-a aos Papas de seus dias (ibid., p. 728), Wyclif (ibid., vol. 2,  p. 58), Huss (ibid., p.118), Lutero (ibid., pp. 272, 277, 280) e vários comentaristas protestantes identificaram-na com o Papado ou com as práticas e doutrinas da igreja papal. Guilherme Miller e provavelmente a maioria dos pregadores Mileritas fizeram o mesmo. A maioria dos comentaristas protestantes modernos aplicam a “abominação desoladora” ao culto idolátrico instituído por Antíoco Epifânio, enquanto que os comentaristas fundamentalistas consideram Antíoco Epifânio como um protótipo do homem do pecado que viria no futuro.

VISÃO PROPOSTA POR URIAS SMITH - PIONEIRO ADVENTISTA

Urias Smith, comentarista pioneiro ASD, aplicou a disseminação das “abominações” de Dan. 9:27 aos eventos do ano 70 A.D., sob o domínio de Roma pagã, e a “abominação da desolação” ao Papado. (RH, 28 de fevereiro, 1871) Especificamente identificando “O Contínuo” (diário) de Dan. 8:11; 11:31; 12:11 com o “paganismo” do Império Romano, e a “abominação da desolação” com o Papado, Smith aplicou a “remoção do contínuo” e a introdução da “abominação desoladora” em seu lugar ao estabelecimento da supremacia papal sobre a dissolução do Império Romano, um processo que ele considerou completo por volta de 538 A.D. e um estado de eventos contínuos por 1.260 anos até a prisão do Papa Pio VI em 1798 (com base em Dan. 7:25 e 12:7). Smith identificou a Ponta Pequena de Daniel 8 com Roma em suas duas fases, pagã e papal (Daniel and Revelation, 1882, ed., p. 202).

COMENTADORES MODERNOS ADVENTISTAS DO SÉTIMO DIA

Comentaristas ASD contemporâneos semelhantemente identificam a “abominação da desolação” com os ensinamentos e práticas Papais não fundamentados nas Escrituras, tais como sacrifício da missa, confissão, veneração da virgem Maria, celibato sacerdotal e estrutura hierárquica da igreja — porém, enquanto alguns defendem a interpretação de Smith do “contínuo”, outros compreendem que “o contínuo”, substituído por essas práticas extrabíblicas, refere-se, na aplicação da profecia de Daniel na Era Cristã, ao ministério de Cristo como nosso grande Sumo Sacerdote no Santuário Celestial. Eles igualam a “ponta pequena” ou “um rei de feroz catadura” (Dan. 8:9-14, 23), que estabeleceu a “transgressão desoladora”, e o “rei do Norte” dos caps. 11 e 12, que estabeleceu a “abominação da desolação”, com o “Homem do Pecado”, “mistério da iniqüidade” ou o “iníquo” de II Tess. 2:2-12; com o “anticristo” de I João 2:18; com a besta semelhante a um leopardo de Apoc. 13; com “mistério, Babilônia, a grande, a mãe das meretrizes e das abominações da terra” de Apoc. 17. A “abominação” introduzida pelo poder apóstata, que consiste em práticas e ensinos não-bíblicos, é causadora de sua “queda” (literalmente, “apostasia”) da verdade revelada nas Escrituras (II Tess. 2:3, 9-12), de suas “blasfêmias” (Apoc. 13:1, 5, 6); e do “vinho” de Babilônia (Apoc. 17:2).

Na tradição histórica protestante, os ASD consideram que a Igreja de Roma e seus ensinos não fundamentados na Bíblia são o cumprimento histórico dessas profecias.



Os interessados ao tema, devem buscar na literatura teológica adventista mais informações.

Pr. Cirilo Gonçalves
Evangelista da IASD - AP, SP
Bacharel e Mestre em Teologia - UNASP
Doutorando em Teologia - RTS (Reformed Theologic Seminary)
Site: www.paulistana.org.br/evangelismo
Intagram: @cirilogoncalves
Twitter: @prcirilo
Facebook:https://www.facebook.com/cirilo.g.dasilva
#CEOnline